Presidente da ABDER defende política pública de financiamento aos estados para controle do excesso de cargas de caminhões nas estradas estaduais

“Você sabia que pode dirigir em uma rodovia atrás de um caminhão que transporta dinamite? Isso pode ocorrer hoje no Brasil porque não existe uma política de controle de cargas”, diz Riumar dos Santos, presidente da ABDER (Associação Brasileira dos Departamentos Estaduais de Estradas de Rodagem) ao antecipar um dos assuntos que serão debatidos no 24º ENACOR ( Encontro Nacional de Conservação Rodoviária) e 47ª RAPv ( Reunião Anual de Pavimentação),  de 9 a 12 de agosto de 2022, em Bento Gonçalves.

Hoje, segundo Santos, 73% das cargas no Brasil são transportadas por caminhões e 96% dos passageiros viajam sobre pneus, o que significa que é preciso priorizar o sistema de transportes rodoviário. “A multimodalidade sem qualquer dúvida contribui para a redução do custo Brasil, mas não podemos desprezar o maior modal do país: o rodoviário; as estradas brasileiras precisam ser bem tratadas”, acrescenta.

Nessa linha, Santos defende a contratação pelo governo federal de financiamentos externos, do BID e do Bird, junto com o BNDES, BB e CEF,  a fim de garantir maior eficiência do modal nos estados. Além disso, sugere a criação de uma política  pública de financiamento de praças de pedágio para a pesagem de cargas. “É preciso financiar os estados  para que seja possível garantir a qualidade das rodovias, na medida em que a pesagem de caminhões envolve muita tecnologia”, afirma.

Ao reiterar a defesa de uma política de controle de cargas que, em sua opinião, nunca teve “um momento pleno na história do rodoviarismo no país”, o presidente da ABDER cita o cálculo, segundo o qual o excesso de 70% de peso acarreta uma redução de 50% na vida útil da rodovia, de acordo com estudo do engenheiro gaúcho, João Fortini Albano, especialista na matéria.

Santos  agrega ainda que  serão abordados na 24º reunião do setor vários outros temas de relevância relacionados com a infraestrutura dos modais de transporte, logística, tecnologia e trânsito. “Trata-se da maior síntese técnica voltada à conservação de rodovias, com 14 palestras e 18 apresentações de trabalhos técnicos que irá coincidir com o 85 º aniversário do Daer”, destaca.

Um dos pontos do evento de especial interesse dos cerca de mil  participantes de todo o Brasil e do exterior, segundo Santos, deverá tratar da tecnologia e da inovação, tanto em obras civis como em equipamentos. “Novas técnicas e materiais para pavimentação e também novos métodos de execução de obras fazem parte de estudos e palestras a serem apresentadas “, antecipa.
A ABDER, criada em 1983, que reúne os DERs,  foi a responsável pelo 1 º Relatório Nacional sobre Conservação e Restauração de Rodovias, consolidado e divulgado em 1985. ( Milton Wells)