CSG prevê para janeiro de 2024 a implantação do free flow de todos os seis pórticos de pedágio de cobrança automática

A concessionária  Caminhos da Serra Gaúcha (CSG) segue investindo nas rodovias do Vale do Caí e da Serra Gaúcha.  Nos primeiros sete meses do Programa de Exploração da Rodovia (PER) foram realizados nos 271,5 km da malha concedida  reparos de pavimentação, obras de arte especiais, drenagem, faixa de domínio, sinalização, equipamentos de segurança e proteção e iluminação, assim como atendimento e suporte aos usuários.

Neste segundo semestre, a projeção é que R$ 200 milhões sejam aplicados em investimentos na ERS-122, ERS-240, RSC-287, ERS-446, RSC-453 e BR-470. O objetivo é garantir melhores condições de trafegabilidade, aliadas à segurança e conforto aos motoristas.

Desde o mês de agosto, os km 0 ao 21 da RSC-287, em Triunfo e Montenegro, no Vale do Caí, estão em obras para receber uma nova pavimentação asfáltica. Os serviços da CSG ainda preveem reparos na drenagem, em artes especiais, faixa de domínio, além de equipamentos de segurança e proteção. Também serão efetuadas no trecho benfeitorias de iluminação e energia. O término das atividades está previsto para o fim de novembro.

Ainda neste segundo semestre, a pavimentação da ERS-240, também na região do Vale do Caí, será recuperada. As obras iniciam em novembro e ocorrerão entre os km 0 e 33. O trecho abrange as cidades de São Leopoldo, Portão, Capela de Santana e Montenegro. No mesmo mês, começará ainda o restauro asfáltico da ERS- 446, do km 0 ao 14, entre Carlos Barbosa e São Vendelino. A previsão é que os trabalhos sejam concluídos, nas duas rodovias, em dezembro.

“Recebemos um conjunto de estradas que, de maneira geral, careciam de manutenção e melhorias. Tudo que está previsto no contrato de concessão vem ao encontro dessas necessidades. Estamos apressando algumas ações, antes mesmo do cronograma, pois sabemos da urgência de recuperação e restauração de alguns trechos, fundamentais para os motoristas terem segurança em trafegar pelas rodovias”, observa Paulo Negreiros, diretor-executivo da CSG.

Recuperação asfáltica na Serra Gaúcha

Na Serra Gaúcha, foram concluídos os primeiros 40 quilômetros de pavimentação da ERS-122, entre os municípios de Antônio Prado, Ipê e Campestre da Serra. A estrada também recebeu melhorias de drenagem, limpeza da faixa de domínio e sinalização vertical.

De acordo com Negreiros, essa é uma das principais obras que a concessionária já entregou nos sete primeiros meses desde que assumiu os trechos. Entre fevereiro e agosto, a companhia investiu cerca de R$ 80 milhões nos 271,5 quilômetros de cobertura no Estado.

“No final do primeiro ano de concessão da CSG, todas as rodovias de nossa administração estarão com a recuperação da pavimentação asfáltica e iluminação concluídas, o que garantirá maior bem-estar aos usuários”, afirma.

Na BR-470, o km 220 (entroncamento de acesso ao Vale dos Vinhedos), em Bento Gonçalves, até o km 233, entre Garibaldi e Carlos Barbosa, também estão passando por manutenção. Já estão sendo realizados serviços de fresagem e recomposição para reparo profundo da pavimentação. A conclusão da obra deve ocorrer em outubro.

A partir de outubro, serão ainda realizadas intervenções de pavimentação e de sinalização da RSC-453, entre os km 101 e 121, nas cidades de Garibaldi e Farroupilha. Os serviços preveem também reparos na drenagem, em artes especiais, faixa de domínio, equipamentos de segurança e proteção. Ainda serão efetuadas melhorias na iluminação e energia de entroncamentos, trevos e cruzamentos. A previsão é que os reparos sejam concluídos em novembro.

Primeiro ano de concessão é para ações emergenciais

O cronograma do PER determina que nos primeiros 12 meses de concessão (fevereiro de 2023 a janeiro de 2024) a CSG desenvolva a fase de trabalhos iniciais. Essa etapa consiste na realização de cadastro prévio das rodovias e das ações emergenciais de manutenção e conservação. Ainda prevê a recuperação do pavimento, de pontes e de viadutos, sinalização horizontal e vertical, iluminação, poda de árvores e roçada das laterais e canteiros, limpeza de bueiros e demais estruturas de drenagem.

Negreiros explica que o primeiro ano de concessão prioriza o cumprimento dos serviços emergenciais de manutenção e conservação dos trechos. Além disso, é nessa fase em que a própria concessionária é formada para inspeção da via e para a assistência dos serviços prestados aos usuários, tais como os atendimentos médico de emergência (ambulância), socorro mecânico (guincho), resgate de animais nas rodovias, prevenção de incêndios (caminhões-pipa) e cuidados ambientais com a faixa de domínio.

“Temos um trabalho longo a ser feito durante o período de 30 anos de concessão, mas as principais obras de melhorias estão concentradas nos primeiros sete anos. Como destaque, a execução de 120 quilômetros de duplicação com todas as intersecções e acessos desses trechos. Estamos falando de investimentos de cerca de R$ 4 bilhões em sete anos”, enfatiza.

O conjunto de estradas concedidas pela CSG representa 271,5 quilômetros. O contrato de três décadas prevê investimentos de mais de R$ 4,6 bilhões, em obras de duplicação de 67% dos trechos (120 quilômetros), implantação de 59,96 quilômetros de terceiras faixas, ampliação da segurança viária e sinalização, atendimento 24 horas, manutenção, entre outras ações.

A abrangência de cobertura da CSG faz parte dos municípios de Antônio Prado, Bento Gonçalves, Bom Princípio, Campestre da Serra, Capela de Santana, Carlos Barbosa, Caxias do Sul, Farroupilha, Flores da Cunha, Garibaldi, Ipê, Montenegro, Portão, São Leopoldo, São Sebastião do Caí, São Vendelino, Triunfo e Vacaria.

Free Flow

Até o final de janeiro de 2024 também está prevista a implantação de todos os seis pórticos de pedágio de cobrança automática, o chamado free flow, na ERS-122, ERS-240, RSC-287, ERS-446, RSC-453 e BR-470, na Serra Gaúcha e no Vale do Caí. O km 108 da ERS-122, em Antônio Prado, será o primeiro trecho que receberá o pórtico, de forma inédita, em rodovias estaduais do Brasil. As obras no local já iniciaram e a previsão é que a estrutura dos arcos comece a ser montada na segunda quinzena deste mês. A cobrança das tarifas aos motoristas inicia em dezembro, quando a Praça de Flores da Cunha será desativada. ( Assessoria de imprensa CSG)