Concessionária  Caminhos da Serra Gaúcha inicia em 1º de fevereiro as obras do Bloco 3 de rodovias

A quarta-feira, 25 de janeiro de 2023, foi  toda  utilizada pela concessionária  Caminhos da Serra Gaúcha para o evento de integração do pessoal contratado pelo Consórcio Integrasul, formado pelas empresas Silva & Bertoli, da Neovia Engenharia, e a Gregor Participações, da Greca Asfaltos, grupo de duas companhias paranaenses que conquistou o Bloco 3 de rodovias do Rio Grande do Sul. O bloco soma 271,5 quilômetros de estrada, trecho que interliga Caxias do Sul à região metropolitana de Porto Alegre e a municípios do interior
 Exatamente à meia-noite de 1º de fevereiro, a concessionária assumirá as praças de pedágio de Flores da Cunha e Portão e dará inicio às obras  que devem representar um novo alento não somente para a economia local, mas o que desponta como o novo futuro do turismo na região.
As seis rodovias sob concessão – ERS-122, ERS-240, RSC-287, ERS-446, RSC-453 e BR-470 – receberão investimentos de R$ 4,8 bilhões, a valores atuais, em obras de duplicação de 67% dos trechos,  implantação de 59,96 quilômetros de terceiras faixas, 10 quilômetros de ciclovias, 30 quilômetros de vias marginais, e a construção de ampliação da segurança viária e sinalização, atendimento 24 horas aos usuários da rodovia, manutenção, entre outras ações. Os recursos serão totalmente bancados pelas seis praças de pedágio ao longo dos 30 anos de concessão.
“Nesse primeiro ano da concessão , os  trabalhos  iniciais serão ao longo dos 271,5 quilômetros”, informou Ricardo Peres, da Silva & Bertoli, presidente da concessionária Caminhos da Serra Gaúcha. “Alguns trechos estão bem mais deteriorados do que outros, como a RSC-287, que deverão exigir mais atenção”.
Somente neste ano, a concessionária investirá cerca de  R$ 170 milhões na restauração dos pavimentos, máquinas, bases operacionais e praças de pedágios, entre outros. “Temos de adequar todos os parâmetros que o contrato exige para poder começar a cobrar pedágios nas praças que serão construídas. Em alguns pontos haverá mais trabalho e em outros, um pouco menos”.
Peres estima um quadro de cerca de 500 trabalhadores- a grande maioria de gaúchos-, envolvendo a mão de obra direta e os prestadores de serviço. Cerca de 70 fazem parte da gestão da concessionária que inclui engenheiros de vários estados, com sede em Farroupilha.
Sobre o uso de novas tecnologias de pavimentação, Peres afirma que ambas as empresas que fazem parte do Consórcio Integrasul, vencedor da licitação do Bloco, detém larga experiência no uso de tecnologias de ponta em  rodovias. “Ainda estamos fazendo estudos para aplicar os recursos nas soluções que sejam as mais duradoras possíveis”, explicou. “Alguns trabalhos serão mais complicados, e estamos ainda aguardando o levantamento para a adoção de soluções mais interessantes para a pavimentação”.
O maior desafio da obra, observa Peres, será mesmo geologia e  a topografia da serra com seus declives.” Hoje a natureza está quieta, mas vamos ter de fazer detonações e podem aparecer algumas surpresas difíceis de enfrentar”. Outra grande dificuldade a ser enfrentada será na área de Caxias, onde o tráfego é intenso, o que exige cuidados redobrados com os usuários durante os trabalhos.
Peres, um engenheiro paranaense, de Curitiba, conheceu o nordeste  do Rio Grande do Sul, quando esteve em 2021 aqui em missão da empresa para avaliar os três lotes de concessão do governo gaúcho. “Todo o dia almoçava e dormia em lugares diferentes, mas tanto a comida como os hotéis eram sempre muito bons. Os gaúchos sabem mesmo acolher os visitantes”,  diz Peres já ambientado à rotina de mais um desafio em sua careira. 

Autor: Jornalista Milton Wells